11.1.16

Eu sigo ele… David Bowie



David Bowie, cantor britânico que conheci ainda pequena, escutava ainda não por gosto, mas porque meu pai com sua forte influência musical sobre mim e meu irmão, gosta e ouvia com frequência. Assim inseria em nosso subconsciente as melodias, e graças aos Deuses da Música gosta de Bowie. 
E foi por volta dos 14 e 15 anos, no auge da adolescência que fui buscar quem cantava as músicas que me eram tão familiar. E foi a partir dai que acompanhei sua carreira e me encantava cada vez que descobria novos sons, me envolvendo ainda mais.

Mesmo quem não conhece e acompanha sua carreira, viu pelo menos um de seus filmes, o primeiro que assisti foi nos anos 80, um clássico: "Labirinto - Magia do Tempo" (Labyrinth 1986) onde atuou e participou da trilha sonora, sendo uma das músicas bem conhecida "As The World Falls Down". Em 2014 o MIS (Museu da Imagem e do Som de São Paulo) trouxe para o Brasil a exposição organizada pela "Victoria and Albert Museum" de Londres, que teve aceso ao "The David Bowie Archive". Músicas, figurinos, fotos, manuscritos, vídeos, uma viagem ao universo Bowie que tive a honra de contemplar e me emocionar.

   

                 Imagem Divulgação | Vista da exposição David Bowie MIS São Paulo | 2014

Além de multiplo musicista, que sem duvida deixo uma obra eximia pelos detalhes tão bem construídos em cada música. Ele me faz pensar e refletir sobre sermos nós mesmo, em uma época que o rock era o foco principal ele se dizia pop, não criou mais um personagem "bad rocker", criou algo tão profundo tão cognitivo que vamos ainda demorar muito para entender tudo isso. E acredito que vai muito além de "Ziggy Stardust", psicólogos, sociólogos, filósofos, gente de qualquer ciência vai literalmente pastar para entender o significado do que estava acontecendo ali naquele momento e que fechou um ciclo com algo mais enigmático em "Lazarus" onde as imagens falam mais que as palavras.

 
                                Imagens Divulgação

Hoje sem duvida foi "O dia em que a Terra parou" e se despediu de alguém que liberou uma geração para "ser o que quisesse ser"! E vez de muitos pessoas ditas estranhas, donas de si, insitando alimentar o que estava crescendo e sendo construído dentro de cada um. E justo em uma "sociedade" que ainda exclui e ridiculariza o diferente, como sendo algo ruim… o mais empolgante é que se estendeu e foi atingindo gerações. Eu no auge da minha juventude, em plena aborrescênica dos anos 80/90 me influenciei e me formei, deixando crescer "o que eu quisesse ser."E ainda aqui em 2015, me direciona para ser o que eu tenho que ser! Obrigada Bowie, que o infinito seja você!

Site Oficial David Bowie